A-dos-Ruivos
Descubra Portugal

A-dos-Ruivos: a aldeia portuguesa que está repleta… de ruivos

Portugal sempre nos reserva algumas curiosidades e “surpresinhas” durante uma viagem pelo país. É o caso de A-dos-Ruivos, uma aldeia portuguesa que está repleta de ruivos. ela fica no concelho do Bombarral, distrito de Leiria. O artigo inicial “A” seguido de “dos” significa “a terra dos”, por exemplo, “Vou à terra dos Ruivos” ou simplesmente “vou à dos Ruivos”. Mas afinal, será que o nome surgiu porque nesta povoação existia um número anormalmente alto de pessoas com cabelos ruivos? A resposta é sim. Os ruivos não são muito comuns em Portugal. Podemos encontrar algumas pessoas no Norte do país, região que acolheu diversas migrações de povos bárbaros ou de origem celta vindos do norte da Europa. Mas encontrar pessoas ruivas a sul do rio Douro não é muito comum. Então… porque razão existe uma elevada concentração de ruivos nesta localidade do Bombarral?

Nos inícios do século XIV existem registros da presença de francos na aldeia de A-dos-Ruivos que não se encontravam de passagem, ou seja, apresentavam residência fixa nesta aldeia. De fato o topônimo A-dos-Ruivos parece ligado ao povoamento Franco que aconteceu nesta região na segunda metade do século XIII, na dinâmica de povoamento após a reconquista cristã. Levanta-se a hipótese desta aldeia ter sido fundada por uma família de origem franca que terá vindo de um dos senhorios de Atouguia, Lourinhã ou Vila Verde dos Francos. Há centenas de anos, numa época em que as deslocações eram mais difíceis e raras e por isso as pessoas se casavam com gente que vivia em locais próximas, a percentagem de ruivos nesta aldeia era ainda maior. Hoje, o gene dissipou-se mas, no entanto, ainda continuam a existir em número elevado.

A-dos-Ruivos

As notícias que nos chegam do século XIV caracterizam A-dos-Ruivos como uma aldeia essencialmente agrícola, contava com hortas, pomares, searas, mas as suas terras eram especialmente aptas para a vinha. As terras desta localidade eram por esse motivo muito disputadas por particularidades e instituições religiosas, como são exemplo o Mosteiro de Alcobaça, a Abadia de Santa Clara de Coimbra, a Igreja de Santa Maria de Óbidos ou mesmo a Igreja de S. Pedro do Carvalhal.

A aldeia, contava nessa época com lagares, adegas bem guarnecidas de equipamentos, currais, palheiros… A-dos-Ruivos tinha o seu porto, onde a ribeira desaguava no rio Bogóta, conhecido por Porto da Ribeira ou Porto da Ribeira da Várzea. Em 1337 a população fundou uma albergaria e uma confraria, o que denunciava a passagem de um grande número peregrinos, caminhantes ou somente desprotegidos. Esta obra assistencial denominava-se Albergaria e Confraria do Espírito Santo da dos
Ruivos.

Nesta Aldeia encontramos em 1527 uma grande diversidade de profissões, o que nos apresenta como indício de prosperidade, entre as quais se podem destacar sapateiros, alfaiates, oleiros e até vassalos do monarca (pessoas contempladas com rendas reais). Os habitantes eram de várias proveniências e vinham de locais como Alenquer, Amoreira, Carvalhal, Baraçais, entre outros.

Nos finais do século XIV a aldeia possuía já uma Igreja dedicada a Santa Catarina, situada num local um pouco periférico e junto à Igreja ficava o Rossio de uso comunal, onde os moradores da aldeia costumavam largar os gados e onde se realizava uma vez por ano realizava-se uma feira de grande importância econômica, ponto de encontro de mercadores e comerciantes da região em dia de Santa Catarina. Neste local há notícia de uma fonte onde as populações acorriam para ir buscar água de nome “Fonte Boa” ou “Fonte Santa”.

Com informações de Vortex Magazine


Publicidade Ⓘ

Quer saber como conseguir a cidadania portuguesa?


Redação
Redação
O Portal de Portugal é uma plataforma de comunicação que chega para divulgar os destinos e atrativos turísticos do país, sua hospitalidade, gastronomia, cultura e estilo de vida.   Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário e nos conteúdos replicados de outras fontes. Havendo reprodução total ou parcial favor citar a fonte: www.portaldeportugal.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *